sábado, dezembro 03, 2011

JÁ LHE OCORREU QUE VOCÊ PODE ESTAR ERRADO?

O Pastor Ed René Kivits negou qualquer associação com o teísmo aberto. De modo geral, ele disse duas coisas: que crê que Deus é eterno (supratemporal) e, portanto, conhece o futuro, e que também não acredita em um determinismo. (http://noticias.gospelprime.com.br/ed-rene-kivitz-diz-que-teismo-aberto-e-uma-besteira/). Para uma fala rápida em um momento informal, o pastor Kivits realmente “mandou ver” – mas, ainda assim, a coisa não é tão fácil, e nesses assuntos, uma autossuspeita sadia é um santo remédio. Cá para nós, depois de ter dado nó nos neurônios, vai um nó na língua: antes de dizer que alguém é isso ou aquilo, utilizando palavras de contacto (como determinismo, processo etc.), deveríamos obedecer à direção de Deus, de examinar pessoalmente para ver se os fatos são reais, pois as possibilidades são muitas.

No entanto, gostei – especialmente depois de ouvir um zunzum sobre esse tal pretenso “namoro” com o deus da moda – apesar de eu ter ficado com um ruído na cabeça. Afinal, como é que fica uma soberania que não determina. E onde ficam textos como “determinado desígnio de Deus” (Atos 2.23), “todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4.13), “tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade” (Atos 1.7), e “... eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; que desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade” (Isaías 46.9-10)?

De início, há o ponto do estabelecimento do campo da discussão. Sempre que partirmos de uma perspectiva para a totalidade (p.e., de um ponto de vista apenas moral ou social, econômico, psicológico) acabaremos mais é com torcicolo. Para falar de Deus, teremos de abordar a questão a partir da fé (resposta do homem à revelação), senão estaremos falamos de algo que pressentimos sem jamais poder assegurar (ver Hebreus 1.1,3,6). Com efeito, só o pensamento de uma fé em Deus já pressupõe uma revelação; de outro modo, como saber o infinito invisível? E não poderá ser qualquer revelação, mas uma interpretação do próprio Deus acerca de si mesmo, do homem e do mundo, possível de ser entendida e documentada a fim de possibilitar concordância – isto é, a Bíblia.

A Bíblia apresenta a Deus como sendo eterno, infinito, todotudo, causador não causado, que basta a si mesmo, e criador de toda a realidade; um Deus transcendente e imanente e, ao mesmo tempo, o sustentador de toda a realidade. Especialmente, a Escritura diz que ele é bom e justo. Mas daí vem uma pergunta: como é que um Deus bom “criou” ou permitiu a existência do mal? Bem, aqui vai uma ideia que não deverá ser considerada como declaração teológica, mas como abstração teórica. Como disse Francis Schaeffer, o mal não tem existência própria, mas deriva-se do bem quebrado. O bem, sim, tem existência própria na própria essência do Criador. Portanto, O mal é o bem quebrado.

Considere isto: o mundo não poderia ter sido criado “dentro” de Deus, pois seria impossível haver dois eternos infinitos nem quebrar a unidade e pluralidade divina a fim de comportar outra existência idêntica. Não poderia também ser criado “à parte” de Deus, pois não haveria essência que o mantivesse. O mundo certamente foi criado fora de Deus e menor do que Deus. Ora, Deus é bom, o único bem, e qualquer coisa que não seja Deus terá de ser, por natureza, menos do que bem e, portanto, passível de ser mau. (Difícil de entender? Imagine um espaço único, em que tudo partilha o mesmo cenário; quando um muro é erguido, o espaço é dividido, apresentando dois cenários. “Pegou”?) Enquanto “em Deus”, o mundo usufruía o bem do criador e sustentador de todas as coisas; “sem Deus” (isto é, na intenção do coração, pois nada há que fuja ao controle de Deus), o bem se rompeu no não bem, isto é, o mal.

Não obstante, as trevas não prevaleceram contra a luz da soberania de Deus. O mal não significou embaraço para o bem, mas, sim, a realização do propósito divino de revelar a totalidade do bem àqueles que por um pouco foram feitos menores do que deuses (Salmo 8).  No pacto interno da Trindade, Deus havia planejado realizar o que, para nós, é impossível: criar um novo ser segundo sua própria natureza – a suprema vitória do bem!

Como? Deixe-me fazer uma digressão. Poderia Deus criar uma pedra que ele mesmo não pudesse levantar? Para nós, a quem possibilidade e fato são elementos excludentes, a resposta será: Não. Contudo, para o Deus eterno, criador, não há restrição entre fato e possibilidade, pois sua vontade se sobrepõe não apenas ao tempo e espaço, mas a qualquer contingência. Pela sua palavra, Deus pode criar a pedra e, pela mesma palavra, carregá-la. Assim, voltando ao como: Deus criou o homem menor do que ele mesmo e, mediante a obra redentora de Cristo (encarnação, vida de obediência, morte, ressurreição e ascensão), elevou-o à participação em sua própria natureza (2Pedro 1.4). Portanto, o que recebemos de Deus é o bem e não o mal. O que recebemos de Deus é a graça que justifica a maldade do ímpio.

Essa dificuldade para entender as coisas de Deus na relação com o homem e com o mundo está em que nós, seres finitos e temporais (e ainda por cima decaídos), só podemos pensar em termos duais de fato e possibilidade. Não compreendemos naturalmente um ser para o qual fato e possibilidade sejam modos imediatos. Por exemplo, para nós, seres singulares, ou estamos sentados ou em pé. Para o Criador, contudo, que é eterno infinito, um e muitos (Trindade), estar “sentado” e em “pé” é uma prerrogativa de sua vontade.

Outra dificuldade é entender que não há dois seres com a mesma realidade, isto é, Deus e nós. A Bíblia diz que Deus é o ambiente do homem (Atos 17.25-28). Noutras palavras, o EU SOU encapsula o que somos. Para ilustrar, imagine um grande círculo que compreenda toda a realidade criada, tempo, espaço e matéria: Deus, como criador, está fora desse círculo e, ao mesmo tempo, em controle, presente e com autoridade sobre ele. Nós, como criaturas, estamos dentro do círculo e sujeitos aos propósitos do Criador. Assim, não existem duas vontades soberanas, mas uma vontade divina superimposta ao círculo e toda abrangente, e, outra, humana, sujeita às normas, situações e dramas existenciais sempre em referência à primeira (teorreferência). Agora, imagine que dentro do círculo, sob a vontade de Deus, perpasse um cabo com miríades de fios, representando as possibilidades da nossa vontade. Para Deus, um mínimo fio de cabelo, mas, para nós, um potencial de liberdade que jamais conseguiríamos usar. Todos os fios da história estão controlados e todos seguem a mesma direção, para o propósito final de Deus.

Onde o segredo? Deus o revelou a Jó, no exercício de sua vontade soberana e pactual: “Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? .... Acaso, anularás tu, de fato, o meu juízo? Ou me condenarás, para te justificares (Jó 38.4-5;40.8)?” A própria conversa de Deus com Jó aponta para o seu desígnio de redimir a vontade limitada do homem para a conformação com sua vontade infinda. (Veja Romanos 12.1-3 e Efésios 3.8-12).

Wadislau Martins Gomes

3 comentários:

Glalter G. J. Rocha disse...

Gosto do seu jeito de falar e escrever teologia. Sou um profundo admirador seu e já lhe disse isso. Poderia enviar-me seus telefones para eu contactá-lo.
pastorglalter@gmail.com ou pasorglalter.wordpress.com

Angélica disse...

Fico feliz que o Pr. Ed tenha se pronunciado sobre o assunto, afinal o Teísmo Aberto, uma falácia pseudo - filosofal para explicar
as lacunas deixadas pelos especialistas e estudiosos que tentam moldar a figura de Deus
ao pensamento e razão humana. Uma teodicéia às avessas, que ridiculariza os preceitos
cristãos, nega fundamentos das Escrituras Sagradas e faz todo o conhecimento e zelo pelos
fundamentos apostólicos tornarem-se vacilantes, diante afirmações pretensas de novo
entendimento mais alicerçado na sabedoria hodierna.

Daniel Allievi disse...

Gostei, comecei minha fé com alguém que seguia ele, ainda bem que encontrei a fé e sai disso..
Vi videos dele afirmando que não tem certeza que só Cristo Salva, dúvidas na veracidade da Bíblia, e com a visão que Deus faz a parte dele enquanto eu faço a minha..
Ainda bem que hoje acredito na soberania de Deus, e apesar de ter passado por maus momentos com essa falsa doutrina..
Deus que determinou, então Glória a Deus..