quinta-feira, abril 13, 2006

IGREJA DESABA E MATA SEUS MEMBROS!

Se o 'âncora' do jornal da TV anunciasse, entre grave e cínico, o desabamento de um templo religioso, mostrando os destroços e o empenho das pessoas no socorro dos feridos, provavelmente não produziria mais sentimento aos nossos olhos e ouvidos do que as notícias de carros bombas, de suicidas e de desastres catastróficos do nosso dia-a-dia. Talvez, por isso mesmo, o "grande desastre evangélico" (título de um livro de Francis Schaeffer) não tenha causado o impacto necessário para acordar muitos de nós que "dormimos" durante o sermão. A igreja caiu e ninguém viu.

Nunca o evangelho esteve tão em moda. Catedrais imponentes, enormes galpões adaptados, salas de hotéis e aparelhos de televisão, tudo vira igreja contemporânea. A palavra de ordem ora é "missões" ora é "movimento de crescimento de igreja" ora "estratégia" ora "propósito" como se fossem marcas de cimento. Pastores viram mestres de obras, líderes viram pedreiros, todos trabalhando ao som do ultimo "cântico espiritual" composto após uma reunião de bênção "para viagem".
Na verdade, nada tenho contra coisas novas. O que não gosto é de correr atrás de novidades, tendo de abandonar coisas boas e eternas. Já fui pastor de igrejas que tinham prédios velhos e novos, bonitos e feios, clássicos e improvisados; já participei de igrejas que cresceram e já fui missionário (continuo sendo); penso também em estratégias e propósitos. Mas ao ouvir falar do grande desastre evangélico, não quero tapar meus ouvidos e fechar os olhos enquanto a casa cai. Mais que nunca, creio que é preciso reformar a igreja.
Pense um pouco nisto: Cristo é a pedra angular da igreja; nós plantamos e regamos, mas Deus é quem dá o crescimento; o Espírito do Senhor é quem lidera a pregação e o louvor. Será que estávamos no templo certo quando a casa caiu?
Talvez, se a competição entre os pastores para ver quem tem mais sucesso (medido pelo estrago feito no desabamento?) ou pelo "pastorado" de uma igreja ou pelo lugar de destaque no próximo "encontro" fosse chamado de inveja, ciúme e cobiça... Talvez, se a competição entre pregação e louvor nas igrejas ou a competição entre modelos missionários e relatórios missionários (como é que se mede isso: distância, fundos, números?) fosse chamado de ativismo e culto de si mesmo... Talvez, se a competição entre pastores e presbíteros/diáconos, homens e mulheres, jovens e ultrapassados, fosse chamado de obras da carne... então talvez nos arrependêssemos e voltássemos para a Pedra, para o canteiro de obras, para a habitação de Deus no meio do seu povo.
Não sou pessimista. Se o fosse, não estaria aqui, dando murro em ponta de faca. Sou realista com esperança. Estou certo de que a casa verdadeira não cairá jamais. Estou disposto a continuar a pregação da Palavra, disposto a prosseguir na missão, disposto à oração e à comunhão, disposto à pureza da verdade e à beleza do amor mas na casa certa! Na casa que não cai. E tal missão, tal pregação, tal oração e tal comunhão exigem que eu grite: "Tem casa caindo! Tem gente dormindo! Tem mentira que vira verdade e pecado que vira espiritualidade! Quem edifica veja como edifica, quem prega pregue a Palavra de Deus, quem ora, ore ao Deus verdadeiro, quem vive, viva pela graça de Deus".
Wadislau M. Gomes

4 comentários:

Adriana disse...

O artigo me fez pensar que a última coisa que quero é o prédio vindo ao chão sem que eu faça nada. Ainda bem que uma boa reforma, realista mas cheia de esperança, pode permitir que a edificação de pedras vivas sustente até mesmo nossas construções de cimento, tijolo e pedra.
Obrigada pelo lindo artigo!

Anônimo disse...

Pastor Wadislau, estou feliz de encontrar mais um dentre os poucos sites bons. Passei por aqui e li vários artigos, usarei alguns em minhas aulas e desejo as mais ricas bençãos de Deus sobre sua vida família e ministério. Em Cristo Heliel Carvalho

RONALDO CLAUDINO disse...

Li e fiquei perplexo.Talvez isso é o que me deixa quando vejo a igreja assumir os modismo teológicos e e fazer desabar a igreja de cristo com doutrinas sociais(igreja em celulas) é um exemplo disso de uma igreja que que desaba e mata ,desmantelando a escola biblica.como no dizer o Rev.Moises C. Bezerril :"uma igreja fragmentada,secularizada,sem doutrina,e sem pastor" Oro a Deus para que lideres levantem as colunas das igrejas extremecidas antes que desabem.

Ronaldo claudino- Sorocaba

Fernando Abraão disse...

O edifício construído pelo hábil construtor jamais ruirá. O edifício humano, pretensamente auto-suficiente, já nasce rachado e destinado ao chão. Se o edifício da igreja está indo ao chão (ou, já foi), surge a certeza ao coração redimido de que este não é o edifício de Cristo. Ele faz novas as coisas. Ele transforma. Que ele mesmo nos faça sólidas unidades, pedras vivas, de seu edifício. Graças a Deus por suas considerações. Divulgue mais, meu irmão. Onde mais pode ser lido artigo assim?