domingo, janeiro 30, 2011

DEPRESSÃO, PÂNICO & VESPAS

“Depressão dói mais do que aguilhoada de vespa na alma”. Quem disse isso não sabia que eu já experimentei os dois, na alma e no corpo. Ferroada no dedo, no beiço, nas costas – nada se compara à fisgada da bandida, na alma. Principalmente para quem é alérgico a flutuações do humor. Vem daí, que eu estava lendo Deuteronômio 7 e deparei com o termo “vespão”, em um contexto de depressão e de pânico. Sabe como é – parece coincidência, mas é apenas que chama a atenção.

O contexto do relato é a preparação do povo israelita para a conquista da terra prometida. Até aí, tudo bem. Deus diz que o povo irá inevitavelmente vencer nações mais poderosas. Maravilhoso! Deus recomenda duas coisas a serem mantidas em mente: guardar a lealdade ao pacto que ele fez com o povo, e obedecer aos mandamentos pactuais. Ótimo! Sobretudo, porque tem mais. Deus promete que o povo seria bendito, prolífero, sadio e bem sucedido. Quem quer mais? Um pedaço de quindim, talvez?

Entretanto, a coisa muda quando vem a recomendação: Não tenha temor, quando perceber que as nações são mais numerosas, dizendo: como poderei desapossá-las? Não queremos nem pensar; vai que acontece! Pior ainda é quando Deus diz que mandará entre eles [os inimigos] vespões, até que pereçam (v. 20). Aí, a gente pensa: “E se as vespas se voltarem contra mim”. Pelo menos, a minha experiência diz que abelha, vespa ou marimbondo, todo esse exército fedido prefere, no meio de tantos, atacar logo a mim. O interessante é que a palavra “vespões” (hb., tisir’rāh) tem um sentido de “pânico” e “depressão” (Peter C. Craigie, The Book of Deuteronomy. Grand Rapids, MI, Eerdmans, 1976, p. 182, n. 14).

Antes de chegar ao ponto, deixe-me colocar quatro coisas (sobre as quais poderemos tratar mais detalhadamente, em outra ocasião): (1) Depressão não é um mal em si mesmo; ela está para a alma assim como a dor está para o físico: previne que passemos o limite de nossa capacidade. (2) Depressão pode ser causada por problemas espirituais com reflexo no corpo, ou pelo corpo com reflexos na alma. (3) Depressão nem sempre é fruto de pecado, mas também não poderá ser seu motivo. (4) Em qualquer dos casos há uma ação requerida daquele que sofre a depressão, no sentido de se utilizar bem dessa provação a fim de recuperar o contentamento no Senhor.

Como reagir a dois desses marimbondos “cavalo do cão” que nos atacam a toda com veneno paralisante – depressão e pânico? Bem, se for daqueles de asas e ferrões, e não houver alergia: repouso, imobilização da área, torniquete (incisão e sucção removem 20% do veneno se feitos na primeira meia hora), sem estimulantes e muito líquido. Se o caso for pior, hospital, depressa! Mas, se for daquelas que pegam a alma, amarram, amordaçam e fazem definhar, aí, sendo de fundo físico, um médico e um bom conselheiro cristão poderão ajudar; se for de fundo emocional (a maioria das vezes), o tratamento poderá ser caseiro. Em qualquer dos casos, requererá a aplicação do quarto item, acima. A ação prescrita envolve, entre outras coisas, o uso da memória. Em todo o texto de Dt 4—8, é enfatizado o recurso da memória: “lembrar” e “não esquecer”.

(a) Lembrar as coisas que o Senhor fez para e em sua vida. Os israelitas, em função da falta de confiança em Deus (Dt 1.44), haviam sofrido uma derrota militar sob um ataque como que “de abelhas”; agora, o Senhor lhes prometia a mesma paga aos inimigos. Aí está! As depressões poderão ser nossas grandes amigas quando precisarmos de um recesso (como quando salta de um muro e flexiona os joelhos a fim de diminuir o choque); mas se nos deixarmos dominar pela depressão ou pelo pânico, o veneno vai direto à memória. A promessa do Senhor aos israelitas, agora, é o contrário: ele mandaria entre eles [os inimigos] vespões, até que pereçam (v. 20).

No nosso caso, são vespões contra vespões; e lembranças são como marimbondos santos que nos auxiliam na vitória contra a depressão e o pânico. Temos de manter na memória o dia da nossa salvação, quando, na cruz, o Senhor venceu o aguilhão do pecado, e sarou nossas feridas. Durante todo tempo, agora, ele tem nos disciplinado para a batalha, para que não sejamos (adaptando a figura) como meninos fugindo de abelhas (cf. Ef 4.14). Ceder à tentação de se deixar levar pelo “branco” que dá na mente, pela modorra que segue o dito: “não me faz rir que dói”, ou pelo sentimento de não querer ser consolado, tudo isso é como feronômio que só atrai mais marimbondos. É preciso lembrar os mandamentos e promessas do Senhor. Se acharmos que não dá para lembrar nada, alguém poderá ser o “grilo falante” da nossa consciência, lendo a Bíblia (Salmo 107; Mateus 26.36-42; João 12.23-28) ou outro livro (Por exemplo, David Powlison, Uma Nova Visão: SP, Editora Cultura Cristã, 2009). Orar, agradecendo a Deus as experiências específicas com sua bondade durante toda a vida é um “santo remédio”!

(b) Não podemos nos esquecer de quem Deus é. A Bíblia diz: Não te espantes diante deles, porque o Senhor, teu Deus, está no meio de ti, Deus grande e temível (Dt 7.21). Medo de quê? Futuro, pessoas, situações, tudo? Deveríamos ter medo de não confiar em Deus. A promessa do Senhor foi que ele estaria no meio dos israelitas, do mesmo modo que ele está no nosso meio, habitando em nós e no meio do problema. Ele é Deus presente; não estamos sós.

(i) Deus tem um propósito e um plano bom para nós. Deus disse ao povo que daria a vitória na conquista da terra prometida, pouco a pouco, porque ele não estava preparado, ainda, para governá-la e para que as feras do campo se não multipliquem contra ele. O Senhor, em tudo nos prepara para a vitória (cf. Romanos 8.22-39). Não podemos nos esquecer de que Deus nos amou, entregando seu Filho a fim de que tivéssemos a vida eterna (cf. João 3.16). Seu propósito é o de que vivamos uma vida de tempo e qualidade eternos. As muitas lutas são parte do seu plano para fortalecer nossos joelhos. Hebreus 12.11-13 diz que a “disciplina, no momento, não parece ser motivo de alegria”, mas, depois, produz fruto de justiça. Assim, somos instados a restabelecer as “mãos descaídas e os joelhos trôpegos e fazei caminhos retos para os pés”, afim de sermos curados. Dobrar os joelhos diante de Deus, e exercitar os joelhos diante dos homens cura pânicos e depressões. (Você já tentou matar marimbondo, no quarto, com toalha de rosto?).

(ii) O Senhor é homem de guerra (Êxodo 15.3). A vitória que ele dá, requer o exercício da lei da guerra. Primeiro, retire da cabeça os livros sobre a arte da guerra (tem muitos, novos e antigos; cf. Carl Von Clausewitz, 1780-1831). A lei da guerra, na Bíblia não é a da vitória da carne autônoma, independente, egoísta; é a arte de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como já amamos a nós mesmos. Assim, Paulo também diz que “nossa luta não é contra o sangue e a carne” (Efésios 6.12). Nessa luta contra a depressão e o pânico, os inimigos são aquelas coisas que militam contra o Espírito de Deus. Paulo também diz, em Gálatas 5.13-25, que nossa carne é escrava de lutas intestinas: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas (vv. 19b-21). Contra esses, a ordem bíblica é: (i) destruir o poder de fogo inimigo e inabilitá-lo para a luta; (ii) subjugar o inimigo interno até à morte e não permitir que o seu ambiente externo tenha força de contra-ataque; (iii) a guerra só termina quando a vontade do inimigo for inteiramente dominada pelo Espírito de Deus (cf. Dt. 20.10-18).

O ponto chave em tudo isso é: “mais vale dois marimbondos voando do que um na mão”. Dt 7. 23-26, finalmente, reafirma aos israelitas a promessa de Deus, de destruir o inimigo enquanto os prepara e fortalece para a vitória (vv. 23-24). A parte de Deus, deixemos com ele e confiemos em seu poder e bondade. Quanto a nós, havemos de queimar todos os ídolos e parafernália de idolatria – até mesmo, o culto aos rótulos diagnósticos, o temor da doença, os caldos de galinha psicológicos etc. A depressão e o pânico são tão valorizados que parecem prata e ouro, mas são apenas peças banhadas que escondem cobiça (quebra dos primeiros quatro mandamentos) e sujeição à carne (quebra dos últimos seis mandamentos).

Bem sei quando dói a picada do marimbondo e não quero ser um vespão na sua tristeza. Antes, peço a Deus que o veneno da bendita acione o antídoto da Palavra de Deus e sua comunhão a fim de que você reúna toda a fraqueza dos ossos, músculos e nervos, e toda a força e óleo da graça para sair campo afora, catando mel de abelhas.

Wadislau Martins Gomes

6 comentários:

Norma disse...

Caríssimo Wadislau,

Obrigada pelo texto! É bom lembrar que há irmãos entre nós que reconhecem e tratam o assunto da depressão com tranquilidade e o antídoto certo: a Palavra de Deus. De vez em quando tenho uns ataques depressivos por causa de uma oscilação hormonal (acompanhada de enxaqueca, sempre); agora, porém, a situação se agrava, pois acabo de atravessar um vale profundo com a perda do meu bebê, aos quatro meses de gestação. Com a baixa dos hormônios pós-gravidez e a natural tristeza pelo acontecimento, é de se imaginar que meu humor não está dos melhores nessa época, mas isto - "que o veneno da bendita acione o antídoto da Palavra de Deus e sua comunhão" - tem sido minha constante em todos esses dias. Cada pensamento fúnebre (principalmente à noite) recebe uma carga letal da Palavra e das verdades de Deus. Glórias a Ele, que nos dotou com tão grande remédio!

Abração!

Norma

Maurício Barbosa disse...

Wadislau, Bom Dia,

Lendo seu artigo sobre depressão não pude chegar à conclusão de que você sofre de depressão e antes de fazer o meu comentário gostaria de saber se você sofre ou se é um profissional da área da psiquiatria ou psicologia?

Abraços,

Maurício

coramdeo disse...

Estimada Norma,
Eu é que devo ser grato pela sua atenção. Saber que as nossa aflições são partilhadas em todos os lugares é um ponto importante para encorajamento na vida cristã (1Pe 5.9). Suas boas palavras são sempre motivadoras e compreensão e força.
Deus a abençoe.
Wadislau

coramdeo disse...

Caro Maurício,
Creio que entendi sua cuidadosa apreensão, e apresso-me em responder, aguardando seu comentário.
Não, não sofro de depressão. Tenho experimentado aqueles "baixos" comuns ao enfrentamento de perdas, pressões ou choque - sempre aprendendo a lidar com a vida. Também não; não sou psicólogo nem psiquiatra. Minha área de ajuda é eclesiástica (sou pastor presbiteriano).
Abraço,
Wadislau

Maurício Barbosa disse...

Rev. Wadislau

Tenho hoje 56 anos. Tive a graça de Deus de nascer em um lar evangélico e fui criado desde a tenra idade nos caminhos do Senhor. Hoje, novamente, pela graça de Deus sou diácono da Primeira Igreja Presbiteriana de Governador Valadares há mais de 25 anos.
Há uns 7 anos que sou portador de depressão e nesses anos tenho feito terapia com psicólogos e acompanhamento com psiquiatra além de estudar sobre o assunto.
Ao ler seu artigo tive a intenção de contribuir com um comentário de alguém que sofre dessa enfermidade.
A depressão é uma desordem na comunicação dos neurônios provocando assim uma desordem mental no portador dessa enfermidade.
Quando alguém está numa crise de depressão, essa pessoa não tem como agir por conta própria assim como alguém que tem uma enfermidade no físico.
Infelizmente algumas pessoas, no meio evangélico, sem o devido conhecimento e preparo têm dito muita bobagem e com isso prejudicado aos portadores da enfermidade.
Um exemplo que gosto muito dele é o episódio de do Profeta Elias que logo após ter matado os quatrocentos profetas de Baal ele foge. No meu entender essa atitude do profeta é fruto de uma profunda depressão. O Profeta Elias só sai dessa depressão quando o Senhor vai a seu encontro. Não foi o Profeta que foi ao encontro do Senhor e sim o Senhor que toma a iniciativa e vai ao encontro do Profeta e assim é com os que sofrem de depressão se o Senhor não for ao encontro dele e fazer com que o depressivo procure ajuda ele continuará no fundo do buraco( caverna ).
Gostei dos quatro pontos que o Sr. coloca sobre a depressão, entretanto gostaria de acrescentar mais um: “A depressão é uma enfermidade e como tal carece de cuidados médicos”.
Nesses últimos três anos estou experimentando a verdade o seu quarto ponto. Tenho tido a Bênção de ter um grande amigo, que acredito ser amigo do Sr. também, o Rev. Fôlton. Ele tem sido meu PASTOR apesar de ser membro de sua igreja. Através de seu aconselhamento ele tem me propiciado a bênção de crescer no conhecimento de Deus.
Hoje creio firmemente que minha depressão é um instrumento que Deus tem usado para me abençoar.
Tenho procurado aproveitar todas as oportunidades para falar ao povo de Deus que depressão não é um mal e sim uma bênção.
Abraços,

Maurício ( mauricionbarbosa@gmail.com) (http://mauricionbarbosa.blogspot.com/ )
Ps. Me desculpe por um comentário tão grande

coramdeo disse...

Meu irmão Maurício,
Seu comentário eleva a alma, pois a fraqueza vira força. O ponto sugerido está lá, no blog, quando digo que há depressões de ordem física, em que a ajuda médica é sempre bem recebida. Elas têm causas diversas, do aparato cerebral e implicações eletroquímicas até desordens hormonais relacionadas a outras parte do corpo; é bem complexo. No entando, meu alvo foi tratar de depressões de ordem espiritual. Essas também podem mexer com o corpo. Você não apenas tem razão, mas também é uma inspiração para os que sofrem.
Wadislau